A posse, a prefeita, o primeiro escalão e a vereança: como fica Bauru nos próximos 4 anos

Poderes Executivo e Legislativo se reuniram ontem, 1°, em cerimônias na Câmara Municipal e Prefeitura de Bauru

Publicado em 02 de janeiro de 2020

A prefeita Suéllen Rosim e seu vice Orlando Dias em momento com a imprensa antes da cerimônia de posse para o mandato 2021-2024 (Fotos: Camila Araujo/Jornal Dois | Arte: Bibiana Garrido/Jornal Dois)
Por Bibiana Garrido e Camila Araujo

Com a Câmara Municipal esvaziada devido às restrições impostas pela pandemia, ocorreu ontem, 1°, com início às 18h10, a cerimônia de posse dos novos representantes do Executivo e Legislativo de Bauru. Na tribuna, Suéllen Rosim (Patriota) abriu seu discurso dizendo: “Sou limitada, mas Ele é grande”. O aceno religioso estaria presente em pelo menos outros quatro discursos dos representantes eleitos. 

Momentos antes do evento oficial, Suéllen conversou com a imprensa e afirmou estar aberta ao diálogo, algo que deve ser “primordial” para o seu mandato. Foram três os pontos elencados como prioritários para as primeiras ações da prefeitura: o “olhar atento à situação da cidade” em relação à pandemia, à zeladoria e à prevenção da dengue. 

Questionada sobre o que pretende fazer diante da situação das pessoas em vulnerabilidade social no município, cenário que se agrava com o fim do auxílio emergencial, a prefeita respondeu ao Jornal Dois que pretende “estabelecer junto da Secretaria de Bem-Estar Social (Sebes) todo o suporte necessário para a população”. 

Chamam atenção para o novo governo o caixa enxuto e as dívidas contraídas pela prefeitura nas últimas administrações. O J2 perguntou à Suéllen se pretende cobrar grandes devedores de impostos municipais, ao que ela respondeu: “Quem deve tem que se comprometer com a cidade”.

No DAE, estima-se rombo de R$ 28 milhões referente aos 100 maiores devedores da autarquia. No caso do IPTU da prefeitura, esse número chegou a R$ 134 milhões devidos por 10 mil pessoas: “muitos deles moradores de condomínios de luxo”.

Discursos na posse

A cerimônia na Casa de Leis seguiu os ritos da solenidade. Os eleitos e eleitas prestaram seus compromissos para o cumprimento das constituições Federal e Estadual e da Lei Orgânica, observando “a promoção do bem-estar do povo e a defesa da autonomia do município”. Houve também o canto do Hino Nacional e a assinatura do Livro de Posse.

Quem falou na tribuna em nome do Poder Legislativo foi o vereador Luiz Eduardo Borgo (PSL). Ele mencionou a existência de uma “nova ordem mundial” imposta pelo novo coronavírus. Pontuou, sem apresentar fonte de dados, que uma vida a cada três dias foi perdida no município devido à falta de atendimento hospitalar.

“A população implora pela abertura de um hospital”, disse o parlamentar, lembrando da “absurda” situação do Hospital das Clínicas com portas fechadas à população. 

O HC abriu para atendimento, pela primeira vez, depois de oito anos que seu prédio já estava pronto. Em julho de 2020 passou a funcionar como hospital de campanha com foco em pacientes de covid-19.

A equipe do J2 tem acompanhado estudantes da Universidade de São Paulo (USP) em Bauru no movimento “O HC não pode morrer”, organizado desde que a possibilidade de o hospital voltar a fechar foi esboçada com o fim do contrato dos funcionários vinculados. O Governo de São Paulo voltou atrás na decisão, e estendeu a data do fechamento para o mês de março. 

Em seu discurso, Borgo ainda afirmou a necessidade da nova legislatura se posicionar sobre “o futuro da Cohab, a concessão da destinação do tratamento do lixo, a iluminação pública, a abertura de escolas no período da pandemia, o incentivo à criação de empregos e um novo distrito industrial”.  

Sem mencionar a palavra “racismo”, o vereador disse que sente muito pelos ataques “injuriosos” sofridos por Rosim, logo após vencer o pleito da prefeitura. Ele citou frase de Martin Luther King, ativista político estadunidense assassinado em 1968: “Eu tenho um sonho que meus quatro pequenos filhos um dia viverão em uma nação onde não serão julgados pela cor da pele, mas pelo conteúdo do seu caráter”. Terminou a fala do Poder Legislativo dizendo: “Que Deus abençoe nossa cidade”. 

Reeleito, Coronel Meira (PSL) presidia a cerimônia por ser o vereador mais votado de Bauru nas Eleições 2020. Ele justificou a ausência do ex-prefeito Clodoaldo Gazzetta (PSDB) em razão de compromissos previamente assumidos. Ao concluir a posse, desejou à cidade que “Deus a ilumine nos próximos quatro anos”. 

Mesa Diretora da Câmara

Após a solenidade na Câmara Municipal ocorreu a eleição da Mesa Diretora do Poder Legislativo para o novo biênio (2021-2022). Três nomes foram indicados à presidência da Casa: Ricardo Cabelo (Republicanos), Chiara Ranieri (DEM) e Manoel Losila (MDB). 

Da esquerda para a direita, os vereadores da Mesa Diretora (2021-2022): Pastor Bira, Ricardo Cabelo, Markinho Souza e Pastor Edson (Foto: Câmara Municipal de Bauru/Reprodução)

O vereador do Republicanos se elegeu com 10 dos 17 votos: Beto Móveis (Cidadania), Estela Almagro (PT), Pastor Bira (Podemos), Júnior Rodrigues (PSD), Ricardo Cabelo (Republicanos), Serginho Brum (PDT), Carlinhos do PS (PTB), Markinho Souza (PSDB), Marcelo Afonso (Patriota) e Edson Miguel (Republicanos). 

Antes da votação, Ranieri discursou em favor do voto feminino para presidir a Câmara, alegando que este seria um sinal de diálogo e transparência.

Ela afirmou que grupos de vereadores se reuniram, nos últimos dias, para fazer acordos, e lamenta não ter sido chamada para nenhuma reunião. “Não tem lado de cá e lado de lá”, disse a vereadora. “Se nós queremos começar algo novo, já começamos errado”.

Losila e Ranieri fizeram discursos parecidos ao reivindicarem suas “boas gestões” em empresas privadas como qualidades para presidir a Mesa. Advogado, ele é sócio-administrador da Finch Soluções de consultoria empresarial; já Chiara é diretora acadêmica da FIB, instituição educacional fundada por sua família e da qual possui 25% das ações.

Cabe pontuar que o vereador Ricardo Cabelo ainda está sob análise da Justiça Eleitoral e pode ter que deixar o cargo de titular. Isso porque um recurso do Progressistas (PP) pode abrir vaga para mais um candidato deste partido, o que “empurraria” Cabelo como suplente na lista de vereadores. A próxima fase do julgamento deve ocorrer no dia 26 de janeiro.

Para a vice-presidência da Mesa Diretora, o vereador Markinho Souza (PSDB) foi eleito com 12 votos, contra cinco de Telma Gobbi (PP). Antes da votação, o tucano abriu mão de seu discurso de 10 minutos. Já a vereadora do PP, fez um apelo em seu tempo de fala: “votem como acham que têm que votar, mas não votem por acordos feitos”. 

Para 1º secretário da Mesa Diretora o único indicado foi Ubiratan Sanches, o Pastor Bira (PODE). Para  2º secretário, o único indicado foi Edson Miguel, o Pastor Edson (Republicanos).

Ao abrir seu discurso antes da votação simbólica, uma vez que não tinha concorrentes, Edson leu um versículo da bíblia, livro que levou para cima da tribuna. 

O time da Prefeitura Municipal

Na sequência do evento na Câmara, Suéllen e seu vice Orlando Costa (Patriota) se dirigiram à prefeitura, onde receberam o comando oficial do Executivo na cerimônia da transmissão de cargo e empossaram o “primeiro escalão” do mandato. 

Dos 18 nomes que irão ocupar as secretarias municipais, um é “reciclado” da antiga gestão. Trata-se de Éverson Demarchi, que estava à frente da pasta de Finanças no governo Gazzetta e agora assume a Secretaria de Administração.

Éverson é servidor de carreira há 29 anos e, segundo currículo divulgado pela equipe de governo, atua como professor do Centro Universitário de Bauru (ITE).

O vice-prefeito Orlando acumula dois cargos na gestão, assumindo também a Secretaria de Saúde. Médico ortopedista, ele é ex-diretor de plano de saúde na unidade bauruense da Unimed. 

Já a chefia de gabinete ficou com Patric Teixeira, que coordenou e doou R$2,5 mil para a campanha de Suéllen nesta eleição. Com formação em Marketing e pós-graduação em Engenharia de Produção, Patric foi vereador em Agudos por dois mandatos: 2013-2016 e 2017-2020. 

O chefe de gabinete é o “braço direito” da política eleita, que vai coordenar as ações de toda a equipe do Executivo. A função também é responsável por assessorar e auxiliar na agenda de compromissos da prefeita, planejando e supervisionando as atividades administrativas e operacionais. 

Em meio a nomes profissionais e acadêmicos, constam seis servidores de carreira no time do secretariado. Tem pastor e ex-candidato a prefeito, mestres e doutores, marketeiros, demolay, coach e coronel.

Ficam assim os próximos quatro anos em Bauru:

Vice-prefeitura e Secretaria de Saúde – Orlando Costa Dias

Chefia de Gabinete – Patric Teixeira

Secretaria de Administração – Éverson Demarchi

Secretaria de Finanças – Everton Basílio
Servidor de carreira que já ocupou cargos na pasta. Formado em Administração de Empresas e pós-graduado em Direito Administrativo. Na pandemia da covid-19, foi titular das Finanças para acompanhamento e fiscalização da Lei Aldir Blanc no município.

Secretaria de Negócios Jurídicos – Gustavo Bugalho
Advogado com formação nas áreas de Direito Constitucional, Gestão Executiva de Marketing e Comunicação, Relações Governamentais, Política e Estratégia. É escritor e atua como professor em cursos preparatórios e de pós-graduação. Foi sócio do escritório Brasil Salomão e Matthes Advocacia.

Em seu perfil do LinkedIn, Bugalho relata experiências como Consultor em Licitações, Política, Relações Governamentais, Terceiro Setor e Entretenimento. Também foi voluntário Mestre Conselheiro no Capítulo União Fraternal da Ordem DeMolay de Ituverava.

Secretaria de Educação – Maria do Carmo Kobayashi
Professora associada e livre docente em Ensino de Arte pela Universidade Estadual Paulista, também professora do Programa de Pós-Graduação em “Docência para Educação Básica” na mesma universidade. Mestre e doutora em Educação Brasileira.

Secretaria de Planejamento – Nilson Ghirardello
Professor da graduação e pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual Paulista. Mestre e doutor na área, com formação também em Engenharia de Segurança do Trabalho. Já trabalhou na Emdurb e foi arquiteto concursado na pasta que hoje assume, na qual, em 1980, projetou a Praça da Paz.

Devido a sequelas da covid-19, em 26 de dezembro sua esposa Marizabel Ghirardello veio a falecer. Advogada, ela era presidente do Conselho Municipal de Políticas para as Mulheres e da Comissão de Ação Social e Cidadania da OAB-SP.

Secretaria de Obras – Marcos Saraiva
Engenheiro civil, atua na área da construção civil há 31 anos. Trabalhou nas obras: ponte sobre o Rio Negro em Manaus (AM), Usina Hidroelétrica em Jirau (RO), duplicação da rodovia BR-101 em Palmares (PE), hospitais regionais no Pará, duplicação da ferrovia Carajás-São Luiz (MA), Metrô Salvador (BA), bem como obras industriais e residenciais.

A indicação viria de relações da prefeita com o núcleo religioso da cidade.

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Renda – Charlles D’Angelus
Coach, graduado em Administração de Empresa com habilitação em Marketing, também tem formação nas áreas de Inteligência de Negócio, Programação Neurolinguística, Liderança e Logoterapia. De 2011 a 2017 desenvolveu trabalhos junto a organizações e indústrias do estado do Ceará.

O nome foi tido como o mais surpreendente, já que Charlles era cotado para coordenar a Comunicação do governo.

Em seu perfil do LinkedIn, se apresenta da seguinte forma: “Tenho 39 anos, sou católico, leigo consagrado na Intuição Privada de Fiéis Comunidade Católica Shalom, casado, 02 filhos”. Na Páscoa do ano passado em Bauru, foi organizador de celebrações em carreatas e lives.

Secretaria de Administrações Regionais – Jorge Luis de Souza
Formado em Gestão Ambiental, é servidor de carreira há 29 anos e já passou por diversas secretarias: Obras, Saúde, Meio Ambiente e Administrações Regionais.

Secretaria do Bem Estar Social – Ana Sales
Servidora de carreira na pasta. Graduada em Serviço Social, especialista em Gestão de Políticas Públicas e Gestão do Serviço Único de Assistência Social (SUAS), foi diretora da Rede de Proteção Social Básica no município.

Secretaria de Esportes – Flávio Oliveira
Servidor público e professor de Educação Física da secretaria municipal desde 2007. Graduado na área, com mestrado em Filosofia e doutorado em Ciências da Motricidade. Foi coordenador do Programa Segundo Tempo, convênio entre a prefeitura e o Ministério dos Esportes (2009-2012). Sócio-proprietário da Ativa – Intervenção em Educação Física e Esportes Ltda

Secretaria de Agricultura e Abastecimento – Jorge Abranches
Com formação em Engenharia Agronômica, pós-graduação em Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, e mestrado em Agronomia, é servidor de carreira há nove anos. Na pasta, atuou como especialista em meio ambiente, engenheiro agrônomo, e foi diretor da Divisão de Estradas Municipais.

Na revisão do Plano Diretor Participativo de Bauru, Jorge é um dos três delegados representando o poder público pela secretaria.

Secretaria do Meio Ambiente – Dorival Coral
Por 24 anos foi professor do Centro de Ciências Biológicas na Universidade do Sagrado Coração (então USC, hoje Unisagrado). Graduado e mestre na área de Ciências Biológicas e Botânica, foi membro do Condema, o Conselho Municipal de Defesa ao Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, por mais de 15 anos, sendo presidente nos biênios 2017-2018 e 2019-2020.

Em seu perfil no Linkedin, Dorival cita como experiência profissional o cargo de Gerente Ambiental na Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis (Ascam) Bauru, desempenhado de novembro de 2019 até o momento.

Ao J2 em 2018, o professor comentou sobre a arborização urbana e sua relação com o alagamento do município em época de chuva.

Secretaria de Cultura – Tatiana Sá
Escritora e atriz, é graduada em Artes Cênicas e estudante de pós-graduação em  Neuropsicopedagogia Institucional e Clínica. Atua como arte educadora em uma escola de educação musical e docente de Pós-Graduação em Contação de Histórias e Mediação de Leitura. 

Tatiana faz parte do grupo de trabalhadores e trabalhadoras da cultura que entregou uma carta à prefeita Suéllen Rosim com as demandas da área em Bauru.

Presidência do DAE – Flávia Souza
Funcionária de carreira por oito anos no Departamento de Água e Esgoto de Bauru, também atuou como gerente de Resíduos Sólidos e Ambiental da Emdurb por mais de um ano. É graduada em Química e tem especialização em Gestão Ambiental. 

No setor privado, foi proprietária e diretora do Laboratório Natron por oito anos, empresa que atua no controle da qualidade da água, tratamento de resíduos, entre outros.

Presidência da Emdurb – Luiz Carlos Valle
Foi candidato a prefeito de Bauru nas Eleições 2020 pelo Podemos em coligação com o Partido Social Cristão, recebeu 6,7 mil votos. “Você sabe por que eu sou presidente Bolsonaro aqui em Bauru?” foi uma de suas falas nos programas eleitorais. 

Pastor e fundador da Igreja do Avivamento Pleno, Valle é engenheiro civil e teólogo, com formação complementar nas áreas de Tecnologia Metroviária, Engenharia Ferroviária, Gerenciamento de Transportes, Geopolítica e História de Israel, Fundamentos Cristãos da Educação e Introdução à Energia Solar Fotovoltaica. 

Trabalhou em construtoras privadas e empresas públicas, sendo responsável por obras no metrô da CPTM em São Paulo. Foi engenheiro chefe do Setor de Pontes da antiga Noroeste do Brasil e Chefe do Departamento de Materiais. Vereador eleito por quatro mandatos consecutivos em Bauru, de 1988 a 2004.

Presidência da Cohab – Alexandre Canova Cardoso

Reformado da Polícia Militar, Coronel Canova já foi presidente da Companhia de Habitação Popular de Bauru entre os anos de 1996 e 1997. Antes disso, atuou como comandante da PM na cidade de 1990 a 1995, quando passou à inatividade na corporação. 

Em outubro de 2020, Canova foi eleito para o Conselho de Administração da Cohab.

Nos arquivos de um blog na internet há uma manifestação sua diante da nomeação do Coronel Benedito Meira, atualmente vereador pelo PSL em Bauru, para Comandante Geral da PM em São Paulo no ano de 2012: “É merecedor de nossa integral confiança, para conduzir com dignidade, integridade e honradez, os destinos de nossa Instituição”.

Sob o comando de Meira, a Polícia Militar do Estado de São Paulo organizou a repressão aos protestos de 2013 e 2014, ano em que o Coronel deixou o cargo.


Acredita no nosso trabalho?         
Precisamos do seu apoio para seguir firme.    
Contribua  a partir de 10 reais por mês. 

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.