Um olhar sobre a realidade árida da produção artística no Brasil e em Bauru

Fazer teatro, dança, música e demais produções em um país que enfrenta dificuldades financeiras, políticas, sociais e morais é um desafio a ser enfrentado por qualquer artista

Coluna publicada em 6 de janeiro de 2018

Por Felipe Monteiro, colunista do JORNAL DOIS

Em agosto de 2017, uma reunião de negociação ocorreu entre José Celso Martinez Corrêa, dramaturgo responsável por um dos melhores teatros do mundo, segundo o jornal inglês The Guardian, e Silvio Santos, conhecido popularmente como o patrão do Brasil e dono da rede SBT de entretenimento. O objeto da negociação, um terreno vazio. A batalha entre os dois grandes nomes é travada há anos.

O terreno que circunda o Teatro Oficina pertence ao grupo financeiro do magnata da televisão. O espaço está vazio, conta apenas com vegetação daninha e uma frondosa árvore que pode ser vista de dentro do teatro, plantada pela própria Lina Bo Bardi, arquiteta modernista que assina o prédio do Oficina. Essa paisagem se encaixa no contexto das obras teatrais, já que os painéis de vidro formando enormes janelas deixam a iluminação natural entrar e completar as construções cenográficas das peças de Zé Celso.

Teatro Oficina, motivo de disputa judicial entre Zé Celso e Sílvio Santos (Foto: Markus Lanz/Divulgação)

O grupo Silvio Santos, conglomerado empresarial e midiático que conta com o canal televisivo SBT, uma rede de hotéis e produtos comerciais, tem interesse em construir torres empresariais em seu terreno. O projeto acabaria com o elemento natural do Teatro Oficina, o que é proibido, já que o tombamento do Oficina impede qualquer tipo de construção que possa obstruir a vista do prédio. A disputa já está em nível judicial, tendo Silvio Santos o apoio do prefeito de São Paulo, João Doria, e contando com vitória na justiça que reverteu o tombamento do teatro.

 

Zé Celso, Sílvio Santos, João Dória e Eduardo Suplicy em reunião de negociação pelo futuro do Oficina (Fonte: Youtube)

Muito além do âmbito pragmático e neoliberal da questão encontra-se um dilema enfrentado por todos aqueles que trabalham com cultura e arte em nosso país. Passamos por um momento em que a valoração social se baseia em princípios financeiros que parecem poder passar por cima de tudo, inclusive de uma lei de fomento. Arte e cultura passam a ser desconsiderados por essa lógica que prioriza o produto rentável ao invés dos elementos essenciais para a formação do cidadão e construção da identidade dos grupos.

Em Bauru, a realidade é semelhante, mas se manifesta de outra forma. Em 2017, tive contato com o grupo Núcleo Solar de Teatro, uma iniciativa encabeçada pelo diretor e professor de teatro Elio Andreotti e pertencente à Divisão de Ensino às Artes (DEA) da Secretaria de Cultura de Bauru. Completando sete anos de jornada, o grupo passava por um momento de transformação. Depois de tanto tempo com produções de reflexões densas a respeito da normalidade e dos problemas sociais e humanos, com cenografias escuras e tons sombrios, o Núcleo produziu a peça Tistou,baseada na obra “O menino do dedo verde” de Maurice Druon. A produção trouxe novos ares ao grupo, levou flores e colorido para o seu reportório.

Cena da peça Tistou, realizada pelo Núcleo Solar, em Bauru (Foto: Reprodução/Núcleo Solar)

Para fazer parte do Núcleo Solar é preciso se inscrever no projeto em fevereiro. A DEA abre os cursos gratuitos de ensino às artes todo ano. Segundo Nilson Junior, diretor da divisão, os cursos são para formação de profissionais da área de música, dança, pintura, artes da cena além de fomento de público consumidor. Os projetos contam com verba para se manterem, o que contempla estrutura física e alguns materiais para aprendizado como papel e tintas. Demais materiais, segundo o diretor da DEA, são de responsabilidade dos próprios estudantes, como fica implícito no documento de matrícula.

O período que passei com o grupo teatral foi uma verdadeira experiência de como produzir arte sem recursos. A peça que seria apresentada, além de repertório de estudos de Elio Andreotti, era parte da formação dos estudantes. Em Tistou, figurinos e cenografia foram produzidos sem qualquer financiamento externo.

A inventividade do diretor artístico Rafael Maia requeria estruturas ousadas para a situação financeira do grupo. O problema foi solucionado com a ajuda dos próprios estudantes e suas famílias. Todo o material para produzir vestes de flores, soldados, médico monstros, uma família rica entre outras personagens e elementos de cena vieram de doações de cortinas, tecidos, roupas e dinheiro por parte de todos os integrantes do grupo.

Elio relatou que nesses anos todos de Núcleo Solar sempre contou com pessoas habilidosas, estudantes empenhados que acreditavam na arte e ofereciam seus saberes e materiais para construir as peças e montagens. Quando questionado sobre a verba da Secretaria de Cultura para a DEA e as produções, o diretor comparou a situação com a obra de Franz Kafka “O processo”. A burocracia excessiva e disfuncional aliada de uma área de baixo interesse para governo fazem da Divisão de Ensino às Artes um centro público mirrado.

Professor Elio Andreotti (Foto: Reprodução/Núcleo Solar)

Tanto no cenário nacional como regional, o que ocorre com as artes é uma verdadeira aridez. “Mais que uma aridez política e econômica, que se pode ver pois se materializam como doenças alopatas, vivemos também uma aridez do ser”, comenta. Quando alguns valores são subvertidos por contendas econômica, como o caso do Oficina no qual um patrimônio cultural é subjugado por um grupo comercial, percebe-se a aridez humana na qual estamos metidos. Uma crise que dificulta severamente a produção artística e cultural paralelo a uma visão de mundo com valores materiais não é uma coincidência, mas sim uma relação de causa e consequência.

“Vivemos um flagrante da ruptura do sistema e seus desdobramentos obviamente afetam a cultura, a arte, saúde e a educação públicas. No Núcleo Solar temos uma professora da rede pública que relata os processos de sucateamento do ensino público”, expõe Elio.

Sobre o futuro do grupo teatral que faz parte e do panorama das artes em geral, a perspectiva do diretor é otimista, que esse ciclo terá um fim como tudo na vida e que sabe que pode contar com a chama acesa que alimenta as pessoas que fazem arte para mantê-la viva.

Em meio a decadência de certas estruturas sociais e políticas, fazer qualquer tipo de produção artística e cultural é um ato de resistência. A falta de recursos leva àquilo que move o Núcleo Solar, a esperança de continuar criando. E nacionalmente também repercute-se a situação, uma produção essencial para a reflexão humana sobrevivendo somente de esperança.

As colunas são um espaço de opinião. As posições e argumentos expressas neste espaço não necessariamente refletem o ponto de vista do JORNAL DOIS.

Comments

  1. I simply desired to thank you so much yet again. I am not sure what I would’ve gone through in the absence of the hints documented by you over that area of interest. It absolutely was a very hard condition in my opinion, but understanding a specialized strategy you dealt with it took me to jump for joy. I’m just grateful for this work and thus trust you know what a great job your are putting in training the mediocre ones through the use of your web page. Most probably you have never come across any of us.

  2. I definitely wanted to write down a quick note so as to thank you for all the remarkable hints you are writing here. My prolonged internet search has finally been honored with brilliant suggestions to go over with my partners. I ‘d say that most of us website visitors actually are really lucky to be in a really good website with so many marvellous professionals with beneficial things. I feel extremely grateful to have come across your entire webpage and look forward to really more amazing times reading here. Thanks a lot once again for all the details.

  3. I definitely wanted to compose a brief comment so as to thank you for all the nice tips and hints you are showing at this website. My particularly long internet research has at the end of the day been paid with reliable concept to talk about with my co-workers. I would tell you that many of us readers are truly endowed to be in a very good community with many perfect professionals with great tips. I feel pretty grateful to have used the weblog and look forward to many more fabulous times reading here. Thanks again for a lot of things.

  4. I’m just commenting to make you understand what a fabulous discovery my cousin’s princess obtained browsing yuor web blog. She came to find some things, not to mention how it is like to possess an amazing giving heart to make the others effortlessly learn about certain problematic matters. You actually surpassed her expectations. Thank you for churning out these invaluable, healthy, revealing not to mention unique thoughts on that topic to Gloria.

  5. My spouse and i have been so glad when Raymond managed to deal with his analysis from your ideas he came across while using the web site. It is now and again perplexing just to be giving away secrets that many the others could have been selling. And we all grasp we need the writer to appreciate for this. These illustrations you made, the straightforward site menu, the relationships you can help foster – it is many terrific, and it’s aiding our son and the family consider that this subject matter is fun, which is exceptionally fundamental. Thank you for all the pieces!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.