Quem mantém as opressões?

O caminho para triunfar sobre o Patriarcado, a Supremacia Branca e as demais opressões é uma atitude militante, de organização coletiva da classe, para o combate contra suas estruturas de poder e seus agentes organizados

Publicado em 22 de junho de 2019

Colagens: Letícia Sartori / Jornal Dois
Por Arthur Castro, colunista do Jornal Dois

 

O Patriarcado é um sistema de opressão que inferioriza, abusa e brutaliza metade da população mundial: as mulheres. Essa mesma estrutura de poder, que mantém o machismo, também gera a homofobia e a transfobia. A supremacia branca e eurocêntrica também cumpre seu papel, promovendo o racismo e a xenofobia, transformando a população negra, os povos indígenas e os imigrantes em alvo.

Nenhum desses sistemas é criado pelo Capitalismo: é possível acabar com a exploração do trabalho, mas as opressões de setores da população continuarem existindo. Dentro do mundo capitalista, no entanto, cumprem um papel: viram parte da classe trabalhadora contra o restante. Não por acaso homens brancos e héteros, de forma majoritária, votaram em Bolsonaro, o que permitiu o atual presidente ter certo apoio popular para aprovar um programa neoliberal que ataques os direitos trabalhistas e sociais, garantindo o lucro do empresariado e dos banqueiros.

As opressões em geral não dependem do sistema capitalista, mas casam muito bem com ele. Como reagir? É comum pessoas progressistas e à esquerda decidirem entrar em guerra com os chamados “bolsominions”, apoiadores fanáticos de Bolsonaro. Após tanto tempo, isso vem se mostrando inútil.

Se estamos falando em sistemas de opressão, estamos falando em estruturas de poder, em instituições e também em organizações. É um desperdício ficarmos travando combates individuais contra conservadores conhecidos e desconhecidos, tentando mudar seus pontos de vista. Mesmo que tenhamos vitórias após meses, é muito esforço gasto para pouco resultado. Ao invés disso, ´proponho mirar nos melhores alvos.

Estamos em guerra: levemos a batalha para o inimigo.

 

1 – A grande Mídia

Os grandes jornais e revistas, as principais rádios e as mais poderosas redes de televisão estão entre as maiores forças de batalha cultural em nossa sociedade. A Record, a Band, o SBT e a RedeTV estão entre as propagadoras de preconceitos, promovendo piadinhas machistas e lgbtfóbicas por um lado, e por outro sustentando os programas do chamado “mundo cão”, exaltando a violência policial. A Globo historicamente também fez isso, mas hoje tenta se remodelar, se fingindo de progressista.

A JovemPan também cumpre seu papel, dando espaço para “humoristas” que crescem com discursos preconceituosos e com formadores de opinião conservadores. Várias rádios locais seguem o mesmo caminho.

Em Bauru, destaca-se a posição do Jornal da Cidade, de falsa imparcialidade, e de mídias abertamente favoráveis à elite, como Social Bauru e Atenção!. Em comum, todas elas cumprem um silencio criminoso sobre a repressão policial que brutaliza a população pobre, negra e de periferia.

Não há como travar uma luta pela mudança de mentalidade que não passe por uma guerra midiática. Por um lado, o fortalecimento de alternativas à esquerda, como este Jornal Dois, e por outro, com uma proposta de democratização da mídia que coloque em cheque os poderes oligárquicos.

2 – As Igrejas

Da onde vem o discurso homofóbico e transfóbico mais radical? Da onde vem a defesa da submissão da mulher? Da onde vem a cumplicidade com as elites governantes? Não se enganem: a religião tem essa função. No Brasil e no mundo, TODOS os partidos de direita que ganham forças o fazem com apoio de líderes religiosos, sejam judeus (Israel), cristãos (EUA), muçulmanos (Arábia Saudita), budistas (Mianmar), hindus (Índia) ou o que for.

As igrejas neopentecostais, como a Universal e a Mundial, são a principal ponta de lança, assim como a Assembleia de Deus. Não podemos mais ignorar isso. É urgente  que nos coloquemos contra o avanço da religião sobre a política. Precisamos combater a Teologia da Prosperidade – que diz que dinheiro é presente de Deus – e a Teologia do Domínio – quem defende o controle cristão do país.

A Igreja Católica também tem a sua parte. Apesar da presença de grupos progressistas, como as Pastorais, são organizações católicas, como a Opus Dei, que lideram os ataques contra a comunidade LGBT e as mulheres. Em Bauru, foi a Diocese quem promoveu palestras contra a “ideologia de gênero”, e a bancada católica na Câmara cooperou com a evangélica para encerrar a educação sexual nas escolas municipais.

Não podemos nos limitar a ficar na defensiva, criticando as tentativas de influenciar o governo. Algumas organizações religiosas tem como posição oficial assumir o controle do país. DEVEMOS combater até total destruição dessas forças, ou ficaremos para sempre sob ataque.

3 – As Polícias

Fala-se tanto no genocídio do povo negro. Mas quem o faz de fato? É a Polícia. Todos os seus braços – Militar, Civil e Federal – apoiam uma agenda punitivista, que aumenta o encarceramento em massa, que promove o extermínio nas periferias.

São policiais que formam esquadrões da morte e milícias. São policiais que promovem repressões em bailes funks, batalhas de rap, festas de república e bares. São policiais que apoiam em peso Bolsonaro. São policiais que reprimem com violência as manifestações. São policiais que se colocam como seguranças particulares de políticos e empresários. São policiais que viram jagunços de fazendeiros em ataques contra o MST e indígenas.

Nenhuma luta real contra o racismo e contra a repressão estatal pode ocorrer sem fazer total oposição às forças policiais, suas facções e suas associações. Precisamos deixar de pensar a segurança pública como um dever da polícia, e discutir abertamente como a população – dentro de uma perspectiva progressista, é claro – pode se defender.

4 – Organizações de direita e extrema direita

Diversos partidos políticos são cúmplices do machismo, do racismo e da lgbtfobia ao aceitar políticos conservadores entre seus quadros, inclusive alguns que se dizem progressistas; mas existem partidos abertamente de extrema direita com os quais não se deve demorar para enfrentar, como o PSL e o PRTB. Durante momentos de crise política e econômica, é comum surgirem grupos conservadores militantes tentando assumir o poder. Eles precisam ser dissolvidos tão logo quanto possível.

O MBL, dentro do campo liberal, jogou com esse papel, ao liderar ataques contra a exposição LGBT do Santander (e isso não é uma defesa do banco). Sua postura de divulgar fake news sobre a Marielle ou da campanha anti-ocupação estudantil nos mostra a necessidade urgente de se garantir que desapareçam de nosso meio tão logo quanto possível.

Há organizações bolsonaristas, como o Direita São Paulo, que andaram promovendo posições LGBTfóbicas e xenofóbicas. E há aquelas abertamente fascistas: a Frente Integralista Brasileira, a Accale, a Nova Resistência, a Legião Nacional Trabalhista, os Carecas, o Impacto Hooligan, a Resistência Nacionalista, o Kombat RAC. Qualquer posição que não deseja a defesa da destruição total – por todos os meios – desses grupos já se mostra uma derrota.

Essas forças de extrema direita são as mais violentas e agressivas, e se lhes for dada uma chance de crescer, nossa vida estára em risco.

Conclusão

Se estamos em uma guerra – e estamos – devemos ter bem em evidência quem são os inimigos. E centrar neles os ataques. Perder tempo batendo boca com bolsominions no dia a dia, mesmo na internet, não nos trará nenhuma vantagem. Derrotar, silenciar, combater os aparelhos ideológicos da direita é o que trazem de fato as vitórias.

O caminho para triunfar sobre o Patriarcado, a Supremacia Branca e as demais opressões é uma atitude militante, de organização coletiva da classe, para o combate contra suas estruturas de poder e seus agentes organizados.

Estejamos organizados e prontos para a luta, ou então já estaremos derrotados.

 

As colunas são um espaço de opinião. As posições e argumentos expressas neste espaço não necessariamente refletem o ponto de vista do JORNAL DOIS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.