Preservação do acervo é tema de Encontro Paulista de Museus em Bauru

Aberto ao público, o debate reuniu especialistas e gestores de museus da cidade e região para falar sobre estrutura e manutenção desses espaços

Publicado em 1° de setembro de 2019

O museólogo Alex Gimenez durante a roda de conversa. Ao seu lado, o mediador Fábio Grossi dos Santos e à esquerda, Luiza Barbosa (Foto: Raphael S. Macedo/Jornal Dois)
Por Raphael Macedo 

Realizado pelo Sesc em parceria com o Sistema Estadual de Museus de São Paulo (SISEM-SP), o Encontro Paulista de Museus Itinerante Oeste chegou a Bauru na última semana de agosto. para discutir a conservação e preservação de acervo e da estrutura desses espaços.

Com a presença de autoridades da museologia do Estado e da cidade de Bauru, o encontro teve apresentações de painéis temáticos sobre infraestrutura, segurança e gestão de museus. Entre os convidados representantes estaduais, o museólogo e diretor do SISEM-SP, Davidson Kaseker. De Bauru, estiveram presentes a museóloga Luiza Barbosa e o historiador Alex Gimenez.

Em seu painel sobre infraestrutura intitulado “Conservação e restauro de obras da pinacoteca de Bauru”, Luiza contou um pouco sobre a história da antiga Casa Ponce Paz, a Pinacoteca Municipal de Bauru.

“Pra nós que somos da área do patrimônio, as pessoas interpretam nossas falas como saudosismo, mas a Casa é um dos exemplares de uma época áurea da cidade, e esse foi um dos motivos pelos quais foi enviada a proposta de tombamento para o casarão”, avalia a museóloga. Localizada na Rua Antônio Alves, foi decorada pelos irmãos Ponce Paz e tinha função residencial até ser nomeada “Pinacoteca Municipal” e tornar-se patrimônio da cidade.

Encontro foi realizado na unidade do Sesc Bauru entre os dias 28 e 29 de agosto (Foto: SISEM-SP/Reprodução)

Em sua apresentação sobre gestão e governança, Alex relatou a experiência no Museu Ferroviário  de Bauru e da necessidade da criação de uma praça em respeito a história dos indígenas Kaygangue. Representantes da etnia estavam presentes no Encontro de Museus.

“Sabemos que nosso trabalho está dando resultado a partir do momento que a própria comunidade está pedindo a democratização do museu”, diz Alex. “Pediram uma praça Kaygangue justamente porque tiveram muitos conflitos entre a ferrovia e os indígenas”. 

Museólogos da região compartilharam experiências na gestão de museus e recuperação de acervo para preservação. De 28 a 29 de agosto, o evento também contou com oficinas gratuitas sobre manutenção de museus e estratégias de aproximação com o público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.