Tem gente com fome em Bauru: saiba como ajudar

Cidade tem mais de 70 mil habitantes em situação de vulnerabilidade social

Publicado em 8 de maio de 2021

No segundo ano da pandemia, número mensal de solicitação de cestas básicas quadruplicou (Foto: Camila Araujo/Jornal Dois)
Por Camila Araujo

Tem gente com fome em todo o Brasil. Uma pesquisa da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), feita em novembro e dezembro de 2020, indicou que mais de 116,8 milhões de pessoas estão em situação de insegurança alimentar ou passando fome. Significa que mais da metade da população brasileira, composta por 212 milhões de habitantes segundo dados do IBGE de 2021, não tem se alimentado com qualidade ou quantidade suficiente.

O estudo também mostra que o índice de pessoas que passam por algum tipo de privação alimentar tem aumentado, antes mesmo da pandemia: entre 2018 e 2020, a alta foi de 27,6% ao ano. Enquanto entre 2013 e 2018, esse número não passava de 8%.

A realidade de Bauru não é diferente. Segundo dados da Secretaria de Bem-Estar Social (Sebes), mais de 70 mil bauruenses vivem em situação de vulnerabilidade social, das quais 10.102 vivem em situação de extrema pobreza, 3.093 em situação de pobreza e 57.011 vivem com meio salário mínimo.

Outro número que explicita esse contexto de vulnerabilidade social na cidade é o de cestas básicas solicitadas ao poder público em março deste ano, que chegou a 4.705. Em abril, até o dia 24, haviam sido solicitadas 3.619 cestas. A média mensal no ano de 2020 foi de 1.000.

Em Bauru, ações de solidariedade por parte da sociedade civil se mobilizam contra a fome, para suprir as lacunas deixadas pelo poder Executivo local – que tem a responsabilidade de acolher e auxiliar a população em situação de insegurança alimentar. Nessa matéria, o Jornal Dois reúne alguns projetos de solidariedade que atuam na cidade.

Se tem gente com fome, dá de comer. 

De Grão Em Grão

O projeto De Grão em Grão, parceiro do Jornal Dois, já existia antes da pandemia, promovendo ações pontuais de solidariedade em datas comemorativas, como o Natal. Com o aumento iminente da fome que a crise sanitária promoveu, o projeto tomou corpo e nome, e passou a entregar alimentos e produtos de higiene a famílias bauruenses com a frequência que as arrecadações permitem.

Cerca de 200 cestas foram arrecadadas e distribuídas mensalmente em 2020, e as ações continuam em 2021. As entregas ocorrem de acordo com a disponibilidade de cestas básicas doadas e são destinadas a famílias dos bairros Parque Manchester, Barreirinho, Piquete, Virgínia Rainha, Val de Palmas e Vila Agrária Nova Família.

Como ajudar: Alimentos, kits de higiene, roupas e brinquedos em bom estado, podem ser entregues na Rua Cussy Junior 3-40, das 8 às 12 horas, de segunda a sexta-feira. Doações financeiras podem ser feitas através do pix com a chave (14) 99132-4759.

Projeto entrega cestas básicas à famílias em situação de vulnerabilidade social em mais de 5 bairros (Foto: Camila Araujo/Jornal Dois)
Mão que Ajuda

O projeto Mão Que Ajuda começou em 2016 entregando lanches e refrigerantes para pessoas em situação de rua. Em 2018, passou a realizar o ‘Café Solidário’ na Estação Ferroviária. Hoje já foram quase 40 cafés realizados, que se juntam a outras ações, como a ‘pizza solidária’, o ‘lanche solidário’ e a distribuição de cestas básicas.

De acordo com os organizadores, ao longo dos 5 anos de atuação, mais de mil pessoas foram beneficiadas.

Para Daniel de Oliveira, idealizador do projeto, ouvir alguém que precisa falar, procurar ajudar as pessoas de forma geral e refletir sobre nossas atitudes são atos de solidariedade. “Tudo isso reunido muda a forma como vivemos em sociedade”, afirma.

Como ajudar: é possível colaborar através de depósito bancário, pix (14 998827526) ou entregando alimentos em um dos pontos de arrecadação (Rua Alagoas 7-59 das 10h às 18h ou Rua Venezuela 8-22, das 13h30 às 16h30). Para mais informações, entre em contato com o WhatsApp do projeto: 14 99882-7526.

Pachamama

O projeto Pachamama é fruto de uma parceria feita em maio de 2020 entre o Núcleo Negro da Unesp para Pesquisa e Extensão (NUPE) e a Revista Helenas. A primeira ação estruturada foi o acolhimento e a escuta afetiva de mulheres em situação de vulnerabilidade. A segunda ação contemplou 134 famílias do Ferradura Mirim atendidas pelo Projeto Caná com a doação de produtos de higiene, máscaras confeccionadas por voluntárias e álcool 80% produzido pelo Departamento de Química da Faculdade de Ciências da Unesp.

Outras ações como a distribuição de materiais lúdicos e pedagógicos, e vivências com danças, iogas e brincadeiras também já foram promovidas pelo projeto. Atualmente, Pachamama realiza doações de cestas básicas mensais, com leite, frutas, legumes e fraldas. “Procuramos atender eventuais necessidades, como doações de roupas, móveis, compra de gás, de medicamentos, pagamentos de contas de luz”, informa o projeto.

Para a equipe do projeto, “solidariedade é entendermos a vida de uma forma mais coletiva, é ampliar a nossa percepção e conseguir entender, acolher e colaborar com ações efetivas para uma vida mais harmônica entre os seres vivos e com a Pachamama, nossa grande mãe”. Elas lembram que a solidariedade é necessária sempre, e não somente durante a crise sanitária do coronavírus: “está relacionada com afetividade, escuta e cuidado”.

Como ajudar: Roupas em boas condições para mulheres, crianças e adolescentes, além de fraldas, leites, verduras, frutas e alimentos podem ser doados ao projeto entrando em contato pelas redes sociais ou por e-mail pachamama.comunicacao@gmail.com. Contribuições financeiras podem ser feitas via pix com a chave 6ed16525-6ca6-4de3-be47-7b33b1f03228 ou transferência para a conta Banco Inter 077 Agência 0001-9, Conta corrente: 63048019. Também é possível ser voluntária ou voluntário, para mais informações entre em contato.

Coletivo Raízes do Baobá

A campanha nacional Tem Gente com Fome é representada a nível local pelo coletivo Raízes do Baobá Negras e Negros que integra a Coalizão Negra por Direitos. O coletivo surgiu em 2016 em Jaú e passou a atuar em Bauru no começo de 2020.

“Tem Gente Com Fome” arrecada fundos para atender mais de 222 mil famílias em situação de fome e miséria em todo o país por pelo menos 3 meses. As cestas entregues às famílias são compostas por alimentos, produtos de higiene e produtos orgânicos.

“A ação não é meramente assistencialista”, pontua Kátia. Junto com a cesta, explica, vai um papel informativo que fala sobre a pandemia, o desemprego, a falta de vacina e de ações mais restritivas no combate à covid. No verso do papel estão escritas as orientações de como se prevenir contra a doença. “É alimento e reflexão”, diz a conselheira.

Kátia explica que os Conselhos Municipais dos Direitos Humanos e da Comunidade Negra, bem como a Revista Helenas, o coletivo Pachamama, apoiam as ações, já que “a proposta é de conexão e articulação”.

De acordo com ela, a ideia também é “balançar” a prefeitura e a Câmara dos Vereadores “que banalizam a situação crítica da covid-19”.

Como ajudar: é possível contribuir com a campanha nacional na página www.temgentecomfome.com.br/ com qualquer valor. No site, o movimento explica que R$200 é equivalente para custear os produtos que serão distribuídos a uma família. O Coletivo Raízes do Baobá também possui um cadastro de famílias em situação de vulnerabilidade nas cidades de Jaú e Bauru, de forma que é possível contribuir diretamente pelo e-mail raizesbaobajau@gmail.com ou nos telefones de Katia Valérya (14) 99759-9785, em Bauru, e Lilian Pires, de Jaú, em (14) 98164-7881.

Ação por alimento e reflexão promove solidariedade nas cidades de Bauru e Jaú (Foto: Reprodução)
Esquadrão do Rock

Trata-se de um grupo de amigos “dispostos a ajudar pessoas”, como informa as redes sociais do projeto. As ações ocorrem às terças-feiras quando o grupo entrega marmitas, bolos, água, ração, agasalhos e cobertores. O Esquadrão do Rock também participa de ações solidárias comemorativas, como ocorreu na Páscoa: no Assentamento Primavera foram entregues 200 saquinhos decorativos com chocolates para as crianças que moram no local. 

Como ajudar: para doar alimentos e agasalhos entre em contato no número (14) 99772-3736 ou pelo e-mail esquadraodorockbauru@gmail.com

Projeto entrega marmitas pela cidade e participa de ações comemorativas de solidariedade (Foto: Camila Araujo/Jornal Dois)
Coletivo Ação Libertária

O Coletivo Ação Libertária atua em bairros e assentamentos em situação de vulnerabilidade social em Bauru. De acordo com Mateus Versati, um dos organizadores, o coletivo atua em frentes de trabalho, a fim de criar uma rede de solidariedade: apoio jurídico, plantão psicológico para adultos do Parque Primavera, arrecadação de roupas e agasalhos e arrecadação de alimentos destinados ao projeto De Grão em Grão. Em comunicado, o coletivo reafirma “seu compromisso social com as lutas populares, e convida outros profissionais que queiram somar esforços com essa equipe local”.

Como ajudar: é possível ser voluntária ou voluntário nas atividades do coletivo, ou contribuir através de doações. Para contribuir com doação de agasalhos os pontos de arrecadação são na Rua Hirofume Fussamae, 227, de terça a domingo, das 18h30 às 23h e na Avenida Alameda Dr. Octávio Pinheiro Brisolla, 4-40, de segunda a sexta, das 9h às 17h.

Acredita no nosso trabalho?         
Precisamos do seu apoio para seguir firme.    
Contribua  a partir de 10 reais por mês. 

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.