A mais nova do Legislativo bauruense

Yasmim Nascimento tem a juventude e as mulheres como bandeira e leva a religião para dentro da Câmara

Publicado em 02 de novembro de 2020

Yasmim é a quinta mulher a ser eleita vereadora em Bauru (Ilustração: Laura Poli | Foto do vereador: Pedro Romualdo)
Por Natália Santos

Filha do ex-deputado estadual Celso Nascimento, Yasmim Cristina Dantas do Nascimento (PSDB) entrou na câmara em 2017 com 27 anos, e se tornou a mulher mais jovem a assumir o cargo de vereadora em Bauru. Usando a religião e sua juventude como vitrine, ela diz buscar a inovação política: “precisamos dos mais velhos, mas precisamos chamar os jovens também”.

Yasmim foi eleita com 2.938 votos, em 2016, pelo Partido Social Cristão (PSC). Com a janela eleitoral deste ano, ela trocou de partido e está concorrendo à reeleição pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Outra diferença entre a atual candidatura e a anterior é que agora, em 2020, Yasmim declara-se como parda, segundo o Tribunal Superior Eleitoral. Na última eleição, a vereadora declarou-se como branca.

Ações para as mulheres

Ao longo dos quatro anos de mandato, Yasmim teve como focos a assistência social e as questões da mulher e do jovem, sempre com o viés cristão como baliza da atuação parlamentar. Três projetos de lei de sua autoria – todos visando à qualidade de vida da mulher bauruense – foram aprovados.

O primeiro (PL 221/2017) integrou o mês Outubro Rosa no calendário municipal, instaurando ações de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e de colo de útero. Dentro desta temática, Yasmim organizou um evento em conjunto com o ônibus Margarida para a realização de exames de mamografia grátis. O Ônibus é um projeto social da Igreja do Evangelho Quadrangular, onde a parlamentar é pastora.

A segunda proposta (PL 164/2019) obrigou a divulgação do serviço Disque Denúncia da Violência Contra a Mulher (Disque 180) em estabelecimentos espalhados pela cidade e no serviço público de transporte. Segundo Yasmim, a ideia da proposição foi motivada por conversas com mulheres de diferentes faixas etárias que desconheciam os canais de denúncia.

O terceiro projeto (PL 108), elaborado em parceria com o vereador Coronel Meira (PSL), reserva vagas de empregos para mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. As empresas que aderirem serão beneficiadas “com incentivos fiscais municipais e/ou com áreas concedidas pelo município”.

Atuação pautada pela religião

Ao ser eleita, Yasmim mostrou interesse em trabalhar a favor da causa dos animais e no combate às drogas. Ela propôs, a criação do Conselho Antidrogas nas escolas municipais de ensino fundamental, mas, por causa da covid-19, a ideia foi deixada de lado. Segundo a parlamentar, a pandemia impactou negativamente o avanço do projeto, que visava restaurar as atividades educacionais já realizadas pelo PROERD, Programa Educacional de Resistência às Drogas, uma vez que os encontros entre a parlamentar, o Executivo e representantes do setor educacional foram canceladas.

Yasmim, também em conjunto com o Coronel Meira, apresentou o PL 193, que proibiu a criação de animais de grande porte dentro do perímetro urbano de Bauru. O projeto tinha como objetivo prevenir acidentes de trânsito provocados por animais soltos em rodovias ou vias públicas, além de protegê-los de possíveis maus tratos.

Além de ter influenciado a bandeira assistencialista – que é marca das propostas da vereadora – os interesses de igrejas estiveram presentes em outros momentos do mandato, como na criação do projeto de lei 282/2019, com Sandro Bussola (PSD) e Sérgio Brum (PDT), que foi aprovado. A lei autoriza as entidades religiosas a utilizar as praças esportivas públicas municipais. No documento o trio de vereadores não apresentam os motivos que justificam a autorização, utilizando o espaço para definir “associação” e trazer o conceito de “igreja”.

Seguindo uma prática comum dos vereadores, Yasmim fez 25 moções ao longo do mandato. Desse total, 4 foram moções de aplausos direcionadas às instituições ou a indivíduos da fé evangélica e 9 foram aplausos para diferentes sedes da igreja de que a vereadora faz parte.

Painel com todos os dados numéricos do mandato da Yasmim Nascimento. Dados coletados até dia 16 de outubro de 2020. (Ilustração: Laura Poli e Natália Santos | Foto do vereadora: Câmara Municipal de Bauru)
Denúncia de peculato

No primeiro semestre de 2019, a Câmara Municipal recebeu uma denúncia que envolvia a vereadora. Entregue pelo munícipe Matias Muniz, o documento dizia que a Secretaria de Administrações Regionais (Sear) cedeu máquinas, a pedido da vereadora, para a realização de terraplenagem da chácara Recanto Quadrangular, de posse da Igreja Quadrangular. Além disso, no pedido, Muniz solicitou abertura de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar crime de peculato, que é quando o funcionário público apropria-se de um bem a que tem acesso por causa do cargo que ocupa.

A consultoria jurídica do Legislativo Municipal indicou que o pedido não tinha prerrogativa para continuidade de trâmite, uma vez que são necessárias as assinaturas de, pelo menos, seis vereadores para a abertura de uma CEI. Mesmo assim, a vereadora optou por se defender da acusação perante aos vereadores. Considerando as informações oferecidas por Yasmim, a Comissão de Justiça, Legislação e Redação optou por arquivar o processo.

Yasmim foi membro da Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), comissão responsável por investigar a obra da ETE, no bairro Vargem Limpa, e também atuou como presidente em duas comissões permanentes: a de Direitos Humanos, Cidadania e Legislação Participativa e a de Economia, Finanças e Orçamento. A vereadora participou também de outras comissões, ao longo do mandato. No último biênio 2019-2020, assumiu o cargo de 2ª Secretário da Mesa Diretora.

Segundo o Portal de Transparência da Câmara, Yasmim recebeu, desde o início do mandato, R$274 mil pela sua primeira experiência como vereadora.

Pílulas do Poder é o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Jornalismo de Egberto Santana e Natália Santos na Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC) da Unesp, com orientação da Profª. Drª. Suely Maciel e tem o apoio e a revisão da equipe do Jornal Dois. 

Acredita no nosso trabalho?         
Precisamos do seu apoio para seguir firme.    
Contribua  a partir de 10 reais por mês. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.