Empregadas domésticas são obrigadas a sair de casa para trabalhar sem condições de segurança contra o coronavírus

“A situação infelizmente é essa: ou você vai trabalhar ou é demitida”, afirma trabalhadora

Publicado em 01 de junho de 2020

Empregadas domésticastem um prefil definido no Brasil: são mulheres e, em sua maioria, negras (Colagem: Letícia Sartori/JORNALDOIS sob HQ Confinada/Leandro Assis e Triscila Oliveira)
Por Lorenzo Santiago

Em meio à pandemia do novo coronavírus, milhões de trabalhadores sofreram cortes bruscos nos salários, foram demitidos ou estão saindo de casa para trabalhar entregues à própria sorte. Nesse contexto, cresce o número de casos da doença nas cidades. No Brasil, os informais passam por esses três estágios, sendo um dos setores mais atingidos pelas mudanças na economia. 

O Brasil superou, no último dia 31, a marca de 29.341 mortos pela Covid-19. Desde 23 de março, o estado de São Paulo vive sob o distanciamento social, que fechou o comércio e os serviços em um geral, mantendo aberto apenas os essenciais e o sistema de delivery dos restaurantes e lanchonetes. Depois de mais de 2 meses, Bauru começa nesta segunda-feira (1) uma saída gradual da quarentena, reabrindo o comércio de rua, salões de beleza, pequenos restaurantes, bares e lanchonetes. 

Para quem teve que sair de casa nesse período, o saldo não foi positivo. Somália Straus é empregada doméstica há três anos. Assim que a quarentena começou, ela teve férias de 20 dias. Mesmo com o serviço dentro de uma casa e pegando ônibus para se deslocar, não houve acordo com o patrão e ela voltou a trabalhar no dia 13 de abril, quando Bauru registrava sua 4ª morte pelo coronavírus. 

Na rotina de trabalho durante a pandemia, Somália explica que poucas coisas mudaram: “O que teve de diferente, principalmente, foi o uso da máscara e tentar manter distância dentro da casa. Além disso, eu levo um álcool em gel na minha bolsa por causa do ônibus, mas de resto nada mudou”, destaca a doméstica. 

Com 58 anos, Somália pode ser considerada grupo de risco. Cerca de 15% das mortes por coronavírus no Brasil acontecem em pessoas na faixa dos 50 aos 59 anos de idade. Ela expressou o medo do contágio, mas a saída encontrada pelos empregadores foi não manter o isolamento e buscar Somália de carro para ir para o serviço:

“Dá uma preocupação, porque a máscara te protege, mas não é 100% seguro. Mas a situação infelizmente é essa: ou você vai trabalhar ou é demitida”, desabafa. 

Ela faz parte do grupo de domésticas que têm carteira assinada no Brasil. Segundo os dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 2018 o país tinha 6,1 milhões de pessoas que trabalhavam com serviço de limpeza de casas. Dessas, 91,7% são mulheres e 64,7% são negras. 

Apesar do longo processo de formalização e ampliação dos direitos – que culminou na PEC das Domésticas, de 2013 – o trabalho doméstico no Brasil persiste, em sua maioria, informal. Menos de um terço (30,4%) trabalham com carteira assinada.

Tabela divulgada em pesquisa do Ipea apresenta os dados da quantidade de trabalhadores na informalidade em 2018.

O trabalho doméstico é um dos serviços que mais representa a herança escravocrata do Brasil. A perversidade deste modelo não está só nos números, mas na relações trabalhistas. Célia Aparecida Nogueira, 40, é um exemplo disso. Assim que começou a quarentena ela já viu o número de diárias diminuir. A única patroa que manteve seu serviço mandou ela não pegar outros trabalhos para evitar o contágio do coronavírus. Mesmo assim a sua rotina pouco mudou: 

“Eu só ia duas vezes por semana, mas nesse período minha patroa pediu pra ir mais e acabou me ajudando, porque subiu o salário. Quando o primeiro caso chegou em Bauru ela já mandou eu usar a máscara. Ela tinha duas empregadas, mas dispensou uma e eu fiquei porque moro perto e não preciso pegar ônibus. Também não quis que eu pegasse outra casa, falou que cobria o valor que me oferecessem”, explicou Célia. 

A incerteza em relação ao novo vírus dita o comportamento do brasileiro nesse período. Sem uma vacina, métodos para a erradicação da doença ou remédios para o combate, a Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta que o isolamento social, no momento, é a principal forma de controle da Covid-19. Por isso, sair de casa para trabalhar se torna um mergulho em piscina vazia para trabalhadores que não tem sequer o respaldo dos benefícios de uma carteira assinada:

“É um risco muito grande, eu tenho medo, mas que que eu vou fazer? Preciso trabalhar, não sou registrada. Eu preciso pagar aluguel”, conta Célia. 

As duas empregadas tem um perfil parecido: mães solo que moram com a única filha. 

“Sair do sufoco”

O trabalho doméstico no Brasil apresenta dois universos em uma mesma forma de exclusão. A minoria com carteira assinada recebe, em média, R$ 1.296,00 por mês. Já a maioria das domésticas (que trabalha sem registro) tem vencimentos médios de R$692,30. Neste contexto, para as trabalhadoras que mantiveram seus empregos, o auxílio emergencial de R$ 600,00 do Governo Federal foi um alívio em um ambiente de insegurança financeira: 

“Eu recorri ao auxílio emergencial e isso já me ajudou muito, deu pra sair do sufoco nesse período. Veio uma parcela em abril mas a segunda ainda não”, relata Célia.  

Em Bauru foram 59.199 cadastros aprovados para receber a quantia do governo, 16% da população. O valor está abaixo do percentual de brasileiros que recorreram ao auxílio: 50.230.608 de pedidos (23,9% da população nacional). O número expressa a dimensão das desigualdades do município, que tem grande parte de trabalhadores saindo de suas casas para enfrentar a insegurança no trabalho, e um vírus que já matou mais de 367 mil pessoas em todo o mundo – o equivalente a população total de Bauru. 

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Renda de Bauru (SEDECON) realizou um censo socioeconômico nos últimos dois meses para calcular o impacto da quarentena na economia do município. A pasta pretende divulgar o estudo na primeira quinzena de junho. A reportagem entrou em contato com a secretária Aline Fogolin, que preferiu comentar a situação dos trabalhadores depois da divulgação.

Acredita no nosso trabalho?         
Precisamos do seu apoio para seguir firme.    
Contribua  a partir de 10 reais por mês. 

Comments

  1. Boa noite. Minha filha que mora em São Carlos me passou esse link. Gostei muito, estava procurando em Bauru um diálogo mais progressista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.