Irineu Nje’a faz uma palestra na EMFE Cônego Aníbal Difrância/Bauru. (Foto: Irineu Nje’a/ Arquivo pessoal)

Por Irineu Nje’a, colunista do JORNAL DOIS


Foram Taís Melero e Taynara Zulato tornaram a atividade possível. Os dois observaram a importância dos alunos terem o contato com um indígena e facilitaram o debate sobre questão indígena na escola.

Dessa forma, viram a oportunidade — junto a ARACI CULTURA INDÍGENA — de fomentar esses conhecimentos sobre a cultura indígena aos alunos. Através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), com o Subprojeto de História Local e Fontes Históricas, os alunos das 7ª séries/ 8º ano da EMEF Cônego Aníbal Difrância tiveram um momento de interação, diálogo e reflexão acerca das questões indígenas locais, sobretudo no que se refere à presença da etnia Kaingang em Bauru no início do século XX.

(Foto: Irineu Nje’a/ Arquivo pessoal)

Para os organizadores a palestra foi muito produtiva a palestra, ministrada pelo professor e antropólogo Irineu Nje’a, indígena da etnia Terena. O objetivo era de desmistificar e desconstruir concepções enraizadas em torno do termo “índio”, bem como difundir aspectos linguísticos, históricos, sociais e culturais indígenas. “Para tanto, a atividade contou com uma mostra de artefatos que representam a cultura material de diversas etnias indígenas brasileiras onde os alunos ficaram encantados. Contamos com o apoio da ARACI CULTURA INDÍGENA, entidade que visa propagar a cultura dos povos indígenas para sociedade e principalmente nas escolas. Nossos agradecimentos ao professor Irineu Nje’a e à supervisora do Subprojeto Regina Tanno, professora da instituição”.

A ARACI CULTURA INDÍGENA tem externado a difusão da cultura indígena nas escolas no Estado São Paulo e tem proporcionado experiência aos estudantes em um espaço de discussões, vivências e conhecimentos sobre os povos indígenas da região. O aluno, enquanto protagonista no seu processo de ensino-aprendizagem, pode desenvolver pensamento crítico em relação à temática abordada, além de apropriar saberes no que tange à História Local.

(Foto: Irineu Nje’a/ Arquivo pessoal)

Apoio

Seja um apoiador, ajude-nos ampliar nosso trabalho para dar continuidade e uma ação de excelência, na difusão da cultura indígena para minimizar o preconceito contra os povos originários dessa Terra — Brasil, colaborando com R$ 10,00, R$ 15, R$ 20,00 ou a quantia que você quiser doar.

Associação Renascer em Apoio à Cultura Indígena:

BANCO CAIXA

AGENCIA 4207 — OP 003 — CONTA CORRENTE 970–0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.