Conheça os candidatos à Prefeitura de Bauru

Inaugurando a cobertura das Eleições 2020, o Jornal Dois analisou o perfil dos candidatos a partir das informações disponibilizadas no TSE

Publicado em 30 de setembro de 2020. Atualizado em 9 de outubro, às 18h.

Imagem com a foto dos 14 candidatos à Prefeitura de Bauru
Entre os candidatos, três são mulheres e dois se autodeclaram como negros. (Arte: Camila Araujo)
Por Camila Araujo e Natália Santos 

São 14 os candidatos para o cargo de chefe do Poder Executivo Municipal nas Eleições 2020 em Bauru. Isso significa um aumento de 133% em relação à eleição de 2016, que contou a princípio com seis candidaturas, sendo que uma delas foi indeferida. 

O aumento no número já era previsto pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), devido ao fim das coligações proporcionais para os cargos de vereador. Até as eleições passadas, os partidos podiam fazer coligações entre si para lançar candidaturas à vereança; esta prática ficou proibida a partir de 2020. 

As coligações majoritárias para o cargo de prefeito ainda são permitidas, mas muitos partidos optaram por lançar candidatura própria, pois geralmente a figura que disputa o cargo máximo do executivo municipal é responsável por impulsionar todas as campanhas de determinada sigla. 

 
Antes e depois

Em 2016, das cinco candidaturas aprovadas à Prefeitura de Bauru, quatro eram homens e uma era mulher. Para o cargo de vice-prefeito, a mesma divisão se repetiu: quatro homens e uma mulher. Quanto à raça, todos os candidatos eram brancos. 

Nas eleições de 2020, o cenário se manteve parecido. São onze homens e três mulheres pleiteando o cargo de prefeito. Para vice-prefeito, são onze homens e duas mulheres. Entre eles, 21 candidatos são brancos e quatro são negros.

Nesta matéria, o Jornal Dois apresenta o perfil dos candidatos, quem são eles e a quais partidos pertencem. 

 
Alexssandro Bussola (PSD)

Alexssandro Bussola é a aposta do Partido Social Democrata para as eleições deste ano. Conhecido como Sandro, o candidato ocupou uma cadeira na 32ª Legislatura de Bauru (2017-2020) e foi presidente da Câmara durante o primeiro biênio de seu mandato. Além disso, atua também como pastor na Assembleia de Deus na Catedral de Madureira.

Sandro iniciou sua carreira política em 1994 como assessor parlamentar e ficou por 18 anos no cargo. Em 2012, com 3.165 votos, foi eleito vereador pelo Partido dos Trabalhadores (PT).  Na eleição seguinte, já filiado ao PDT (Partido Democrático Trabalhista), foi reeleito com 3.464 votos.

Segundo a declaração feita no TSE, Sandro possui R$208 mil em bens declarados, sendo um prédio residencial e um imóvel.

Sem coligação, o candidato tem o advogado Thyago Cezar como vice. Em carta proposta, afirmam que “Bauru vai voltar a sorrir!”. Em sua página de campanha pontua que Bauru precisa “encontrar na união de boas ideias uma cidade melhor”.

Clique aqui para acessar o Plano de Gestão do candidato.

 

Clodoaldo Armando Gazzetta (PSDB)

“Bauru está pronta para avançar”, segundo o lema de campanha do candidato. Gazzetta é o atual prefeito de Bauru. Aos 52 anos, ele concorre à reeleição pelo partido tucano, ao qual se filiou em abril deste ano. Para o jornal Estado de S. Paulo, à época, o prefeito declarou: “meu namoro com o PSDB vem de longa data”. 

Nascido em Campinas (SP), mudou-se para Bauru aos sete anos. Durante a graduação, estudou licenciatura em Ciências com habilitação em Biologia pela UNESP, concluindo o curso em 1991. 

Em 2016, quando foi eleito, representava o Partido Social Democrático (PSD), partido ao qual se filiou naquele ano. Sua gestão como prefeito municipal foi marcada por inúmeras críticas em tribunas feitas por membros do Legislativo Municipal, ou seja, os vereadores, que alegavam dificuldade de trabalho entre os poderes. 

Não foi a primeira vez que pleiteou um cargo eleitoral. O atual peessedebista concorreu outras quatro vezes à prefeitura (1992, 2004, 2008 e 2012) pelo partido que ajudou a fundar na cidade nos anos 1990, o Partido Verde (PV). Em 2010, disputou as eleições para deputado estadual e em 2014 para deputado federal. Em ambos os casos, assumiu o cargo de suplente. 

Atualmente, representa a coligação “Bauru Pronta Para Avançar ”, com os partidos PTB, PCdoB, PSDB e PL. O candidato a vice-prefeito é o empresário Toninho Gimenez, do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). 

Segundo informações disponibilizadas no TSE, o atual prefeito possui um patrimônio de bens acumulados no valor de R$415 mil. Além disso, é sócio administrativo da empresa GZ3 AMBIENTAL, sendo dono de 99% do capital social do empreendimento. A GZ3 representa 0,1% de todo o patrimônio de Clodoaldo. 

Em seu plano de gestão, Gazzetta propõe uma gestão participativa, desenvolvendo suas ideias em cinco pilares administrativos. Para ter acesso completo ao documento, clique aqui.

 

Eduardo Janzon Avallone Nogueira (Republicanos)

“Advogado, empresário e pai” é como o candidato se autodenomina nas redes sociais. Coordenador regional de seu partido, Eduardo concorreu para o cargo de deputado federal nas eleições de 2018, mas não se elegeu. Na urna, seu nome é Edu Avallone. 

É o candidato do comércio: de acordo com seu site de campanha, foi eleito pela Associação Comercial e Industrial de Bauru (ACIB) como empresário de maior destaque no município em 2017.  Ele é sócio-administrador da Avallone Advogados em Bauru, São José do Rio Preto, Ribeirão Preto e São Paulo e também já foi sócio de outras unidades.

Seu lema de campanha é “Bauru Para o Povo”. Em sua página no Facebook, Avallone pontua que o “Novo” está chegando, valendo-se das cores da bandeira do Brasil na identidade visual da chapa. Já em seu plano de gestão, encontramos que “o lema de atuação da Prefeitura nos próximos 4 anos será de diminuição da máquina pública, desenvolvimento, tanto no aspecto econômico como social”.

No site de campanha aparecem algumas inconsistências, como frases em inglês sem o contexto da campanha e a citação de “lorem ipsum”, que é um texto padrão em latim utilizado na produção gráfica e visual para preencher espaços de escrita, como mostra a imagem abaixo.

Avallone é também o prefeitável com maior quantidade de bens declarados, com pouco mais de R$14 milhões. Dentre os bens, estão cinco automóveis e quase R$300 mil em ações.

O partido do candidato está “isolado”, o que significa que não há coligação. Para acessar o Plano de Gestão, clique aqui.

 
Gerson Luiz Alves Pinheiro (PDT)

“Sonho que se sonha junto é realidade” é o lema da campanha de Gerson Pinheiro, apresentada em sua página do Facebook. No dia 23 de setembro, o candidato a vice-prefeito do Partido Democrático Trabalhista (PDT) assumiu a disputa para a prefeitura quando Clemente Rezende, seu colega na chapa e pré-candidato a prefeito, desistiu da disputa alegando motivos de saúde. Gerson Pinheiro é presidente do partido na cidade desde agosto do ano passado. 

Bacharel em ciências econômicas, Gerson é sócio-proprietário de uma construtora e possui mais de R$2,2 milhões em bens declarados, segundo o site do TSE. Desse valor total, 17% é referente a quotas de capital social de uma empresa não especificada pelo candidato. 

O partido do candidato também está “isolado”. Antes da renúncia de Clemente, o PDT compunha a coligação “Bauru – Cuidar para Crescer”, com os partidos Avante e Cidadania, com um plano de gestão conjunto.

Após as mudanças, o servidor público municipal André Neves assumiu a candidatura à vice-presidência. Para conferir o novo plano de gestão do PDT, clique aqui

 
Joaquim Batista Mateus de Oliveira (PROS)  

Kim é a maneira que seu nome consta na urna eleitoral. O empresário é presidente regional do Partido Republicano da Ordem Social (PROS) e, atualmente, o partido não possui coligação. O plano de governo é sucinto: com quatro páginas, começa com a frase do jurista baiano Rui Barbosa: “A justiça pode irritar porque é precária. A verdade não se impacienta porque é eterna.” 

Como lema de campanha, os candidatos declaram que estão unidos por uma Bauru melhor, e que vão “colocar os pingos nos ‘i’s”. 

Entre os bens declarados ao TSE, encontram-se cinco veículos e 13 imóveis. Clique aqui para acessar o Plano de Gestão do Candidato.

 
Jorge Antonio Soriano Moura (PT)

Em sua página no Facebook, o candidato se apresenta como bauruense, advogado, pai e marido. Jorge já esteve no páreo anteriormente. Saiu candidato a vereador, pela mesma sigla, em 2008 e assumiu como suplente. Sua vice, Maria Flor di Piero, foi candidata à prefeitura pelo PSOL nas eleições de 2016 e não se elegeu. Agora concorre pela REDE.

O Partido dos Trabalhadores estava há quatro eleições sem lançar candidatura própria para prefeito na cidade. A última vez foi em 2004, com Estela Almagro, que havia saído candidata no ano 2000. Em coligação majoritária, o PT elegeu Almagro como vice-prefeita, junto com o prefeito Rodrigo Agostinho, em 2008 e 2012.

Jorge declarou ao TSE possuir um patrimônio de R$650 mil. Para conferir o Plano de Gestão do candidato clique aqui

 
Luiz Carlos da Costa Valle (Podemos)

Aos 65 anos, Valle volta à corrida eleitoral pela prefeitura de Bauru 16 anos após sua primeira tentativa. Nas eleições de 2004, lançou a candidatura pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) e ficou em terceiro lugar na disputa, com 8,73% dos votos válidos. Anteriormente, Luiz Carlos já havia participado por quatro mandatos seguidos do poder Legislativo Municipal da cidade, ocupando uma cadeira de 1989 até 2004.

A convenção eleitoral que o lançou candidato ocorreu no dia 13, em uma chácara. O prefeitável participou de modo virtual, pois estava internado em um hospital particular com Covid-19. 

Segundo os dados disponíveis no TSE, o engenheiro civil, formado pela UNESP de Bauru, possui um patrimônio de mais de R$1,5 milhão: são dois carros, três casas, um apartamento, um terreno e um depósito bancário em conta corrente. O nome de Luiz Carlos aparece, na Receita Federal, vinculado à Igreja do Avivamento Pleno, sendo qualificado como presidente da instituição.

Filiado ao Podemos, Valle é a aposta do partido que se apresenta em coligação denominada como “Compromisso com a Verdade” com o Partido Social Cristão (PSC).

A chapa foi completada com a empresária Gislaine Magrini (PSC). No plano de gestão, a dupla assegura que para atingir seus objetivos de gestão, a saída será a redução de gastos, estudo e implementação de uma nova estrutura organizacional na prefeitura. 

Clique aqui para acessar o Plano  de Gestão do candidato.

 
Nelson Ribeiro da Silva (PTC)

Aposentado, o técnico em edificações e segurança do trabalho disputa a Prefeitura com o microempresário Joel Joaquim de Souza, ambos pelo Partido Trabalhista Cristão (PTC). Não é a primeira vez que Nelson participa do processo eleitoral: em 2008, saiu candidato a vereador pelo PMDB e assumiu como suplente. 

No setor público, participou do governo de Tuga Angerami, ex-prefeito da cidade entre os anos de 2005 e 2008, à época do PDT. Nesse contexto, foi titular da Secretaria de Administrações Regionais (SEAR). 

Na página no Facebook, a última publicação é do começo do mês e apresenta como pré-candidato à Prefeitura.  Na capa da página, que foi publicada em 7 de setembro, está uma mensagem de comemoração aos 124 anos do município de Bauru e a apresentação como pré-candidato a prefeito e presidente do PTC de Bauru. 

Como bens declarados, Nelson registrou o valor de R$ 75 mil, que corresponde à metade de uma casa.

Nelson é um dos quatro candidatos negros desta eleição. Para acessar o Plano de Gestão, clique aqui.

 
Raul Aparecido Gonçalves de Paula (DEM)

Na corrida eleitoral, Raul esteve presente quatro vezes desde 2010. Nesse ano, se elegeu suplente de deputado federal pelo PV. Dois anos depois, deixou o cargo para disputar no município. Elegeu-se vereador por quociente eleitoral pelo mesmo partido. 

Em 2016, foi para o segundo turno nas eleições para a prefeitura contra o ex-colega de partido, Clodoaldo Gazzetta. Derrotado na disputa, Dr Raul, como é seu nome eleitoral, tentou novamente em 2018, agora a nível estadual, e se elegeu suplente como deputado pelo PODE. 

Para esta eleição, seu vice é o vereador Fábio Manfrinato (PP), que ocupa uma cadeira no Legislativo desde 2009.

Raul é o segundo candidato com maior quantidade de bens declarados: são 39 imóveis, entre casas, apartamentos e quotas de prédios comerciais, 20 terrenos, cinco automóveis, entre outros bens, que totalizam mais de R$8 milhões.

O prefeitável tem movimentado sua página no Facebook com vídeos, fotos e transmissões ao vivo sobre a campanha, cujo lema é “uma mudança com verdade”. Para acessar o Plano de Gestão do candidato, clique aqui.

 
Renata Alves Ribeiro (PSOL)

A indicada do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) à prefeitura de Bauru é Renata Ribeiro. Ela é servidora pública municipal e trabalha como cuidadora de crianças com deficiência. Segundo o site do TSE, nenhum bem foi declarado.

Na sua rede social pessoal, Renata afirma que entende que a luta das mulheres, da preservação ambiental e do direito à vida precisam de consequências políticas. A candidata mais nova à prefeitura se intitula como a “porta voz de um novo modelo de cidade”, com o compromisso em trazer mudanças nesse cenário. Na página de campanha, ela diz que é preciso ter coragem e que não está sozinha: “essa campanha é NOSSA!”

Por meio de uma chapa pura, ou seja, sem coligação, denominada “Nas ruas e nas lutas”, o jornalista Pedro Romualdo assume a posição de vice. Em carta proposta, a dupla compartilha que as ruas são o espaço em que os indivíduos lutam todos os dias por uma melhor qualidade de vida. 

Clique aqui para acessar o Plano de Gestão. 

 
Rosana Polatto (PSB)

A candidata do Partido Socialista Brasileiro também entrou para o time dos que não são novatos na disputa eleitoral. Rosana concorreu à vereança por duas eleições consecutivas: a primeira em 2012, e a segunda em 2016. Nas duas tentativas, representou a mesma sigla (PSB) e se elegeu como suplente. 

Como bens declarados, a empresária possui patrimônio no valor de R$ 304 mil. 

Nesta eleição, o PSB faz coligação, denominada “Bauru de volta”, com o Partido Verde. A posição de candidato a vice-prefeito é de  Carlinhos Cantelli (PV). No plano de gestão, a dupla compartilha o desejo em ter um governo que se reconecte com a administração de toda a cidade. “Um governo que priorize a primeira infância, o atendimento à mulher, a inclusão social, o respeito ao idoso e a juventude, combatendo todas as formas de violência”, finalizam. 

Clique aqui para acessar o Plano de Gestão.

 
Sérgio Freitas Alba (Solidariedade)

Sem coligação neste ano, o Solidariedade concorre à prefeitura de Bauru com o agricultor Sérgio Alba. 

Aos 52 anos, o candidato passou por diversos setores públicos como assessoria técnica de planejamento da EMDURB, assessoria parlamentar na ALESP, chefia de gabinete da Câmara Municipal de Bauru, diretoria de departamento Secretaria de Meio Ambiente e no Departamento Social de Bauru. Em sua página de campanha, Sérgio compartilha sobre a disputa eleitoral com seus seguidores: “me sinto preparado para o maior desafio de minha vida!”. 

Ele também pontua que “a burocracia atrapalha na manutenção de nossa cidade!”. Seu lema de campanha é o “Muda Bauru”, precedido por “Agora é Alba”. 

Segundo os dados disponibilizados pelo TSE, Sérgio declarou possuir R$180 mil em bens, sendo esses uma chácara e dinheiro em espécie.

Com o contador Arthur Correia como vice, Alba expõe em carta proposta que a dupla sonha com um governo participativo que divide as conquistas e dificuldades com a população.

Clique aqui para acessar o Plano de Gestão do candidato.  

 
Suéllen Silva Rosim (Patriota)

Jornalista de formação, Suéllen Rosim é a aposta do Patriota para a prefeitura de Bauru. Por meio de uma candidatura “isolada”, a candidata tem como vice o médico Orlando Dias (Patriota).

Suéllen, que foi jornalista da TV Tem, disputou as eleições de 2018 em busca de uma cadeira na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, obtendo uma vaga de suplente pelo mesmo partido. Aos 32 anos, a candidata possui um patrimônio acumulado de R$1,6 mil, segundo o TSE, que consiste em título de capitalização e dinheiro em conta corrente e poupança. 

Em seu plano de governo de oito páginas, Suéllen e seu vice propõem a seguinte ideia, que também é o lema de campanha: “por uma Bauru ideal”. 

A dupla ainda compartilha que a missão é buscar a qualidade de vida, resgatando a confiança do bauruense por meio de um governo “honesto, transparente, comunicativo e com total participação da população”. 

Na página de campanha, ela afirma que conta com “você e sua família”, que por sua vez pode contar com ela também. 

Suéllen é uma das quatros candidatas negras desta eleição. Para acessar o Plano de Gestão, clique aqui.

 
Vagner Aparecido Crusco (PCO)

Em 2018, o candidato esteve na disputa para deputado federal pela sigla do PCO. Não foi eleito, pois sua participação foi indeferida. De acordo com o TSE, o indeferimento ocorreu por parte do partido ou da coligação. 

Na disputa das Eleições 2020, ele é o 14º candidato a prefeito. Seu cadastro ainda não foi disponibilizado pela justiça eleitoral e, segundo o partido, houve um erro no TSE, mas a candidatura foi apresentada no prazo estipulado. 

Em sua página do Facebook, sua foto de perfil é um leão e a capa de destaque é a foice e martelo, que significa o símbolo da união da luta dos trabalhadores do campo e da cidade. 

O Plano de Gestão do Candidato ainda não foi divulgado no TSE.

Atualização dia 9 de outubro às 18h: O registro do candidato já está disponível no TSE. Sua lista de bens declarados é uma casa no valor de 50 mil reais. Sua candidatura é autodeclarada preta. Em 2018, seu cadastro de candidatura constava como branca. Não é possível consultar seu Plano de Gestão.

Acredita no nosso trabalho?         
Precisamos do seu apoio para seguir firme.    
Contribua  a partir de 10 reais por mês. 

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.