Bauru recebe Luciano Hang, Major Olímpio e Valéria Bolsonaro em ato pelo comércio

Prefeita Suéllen Rosim e vereadores estiveram presentes na manifestação que teve com ponto de encontro o estacionamento da loja Havan; participantes pediram “Fora Dória” em defesa da reabertura de estabelecimentos no município

Publicado em 12 de fevereiro de 2020

Com microfone da JovemPanNews, Luciano Hang fala aos manifestantes em defesa do comércio de Bauru e contra João Dória (PSDB) no Governo do Estado de São Paulo (Foto: Bibiana Garrido/Jornal Dois)
Por Bibiana Garrido

O Sindicato do Comércio Varejista de Bauru e Região (Sincomércio) realizou nesta sexta-feira, 12, um ato pela reabertura imediata dos comércios e serviços. A mobilização pediu, ainda, abertura do Hospital das Clínicas e mais leitos de UTI para tratamento da covid-19 na cidade.

A concentração começou por volta das 14 horas no estacionamento da loja Havan, tendo participação do empresário e proprietário da rede Luciano Hang. O senador Major Olímpio (PSL) e a deputada estadual Valéria Bolsonaro (Sem Partido) estiveram presentes, bem como a prefeita de Bauru Suéllen Rosim (Patriota). Todos subiram no carro de som do sindicato, que havia estendido a faixa “Fora Dória”. Os vereadores Pastor Bira (Podemos), Eduardo Borgo (PSL) e Marcelo Afonso (Patriota) acompanharam o ato junto ao público. 

“Não poderia deixar de vir aqui dizer o quão válido é pensar como um todo”, disse Suéllen Rosim aos presentes. “Esse movimento não tem nada a ver com a prefeita, tem a ver com aquilo que a gente acredita ser possível de fazer. O recado que eu deixo hoje é que as pessoas estão aqui para defender suas famílias e seus trabalhos. Tudo é essencial”, completou.

Logo após o pronunciamento da prefeita, Luciano Hang puxou o canto: “O povo unido jamais será vencido”. O empresário parabenizou Suéllen Rosim e Walace Sampaio, presidente do Sincomércio, pela “resistência” diante do Governo do Estado de São Paulo.

Desde a reclassificação para a fase vermelha do Plano São Paulo, em 25 de janeiro, Bauru vem adotando medidas para flexibilizar as restrições que impõem o fechamento do comércio, serviços e estabelecimentos. Primeiro por decreto, depois por lei, a cidade tentou manter atividades não essenciais abertas. No último dia 10, a Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo julgou tal ação inconstitucional e as lojas de Bauru voltaram a fechar. A ação contra a flexibilização das normas estaduais na cidade foi movida pela Procuradoria Geral de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo. 

A prefeitura argumenta que “Bauru tem uma outra realidade”, e pede que “as pessoas não façam comparativos com a região, com outros municípios”. Segundo o Comitê Gestor de Enfrentamento à Covid-19 no município, as condições seriam adequadas para uma abertura maior do que a prevista pela fase vermelha do Plano SP.

Valéria Bolsonaro também elogiou a atuação da prefeita por ter “compromisso com a população, e não com o governador”. Gritando “Fora Dória” sob aplausos dos manifestantes, Major Olímpio lembrou o falecimento da mãe de Luciano Hang no dia 4, após ser internada com covid-19. “Nossos sentimentos. Você está aqui na luta pelo povo de São Paulo”, solidarizou-se o senador. 

Empresárias e empresários da cidade fizeram falas ao microfone pedindo a reabertura do comércio e afirmando que a partir de amanhã, 13, suas lojas estariam abertas. Discursos incluíram a relativização da pandemia e o questionamento sobre a existência e fatalidade do novo coronavírus. “É um experimento que estão fazendo com a gente, mandando colocar máscara pra ver se obedece”, chegou a dizer um homem que se apresentou como músico de Bauru.

Presidente do Sincomércio, Walace Sampaio afirmou que a manifestação foi organizada “em cima da hora”, e agradeceu a todos os agentes políticos e ao empresário Luciano Hang pela prontidão em estarem presentes. 

Chegada de Suéllen Rosim à manifestação na Havan de Bauru em defesa da reabertura do comércio na cidade (Vídeo: Bibiana Garrido/Jornal Dois)

Depois dos momentos de falas dos participantes, o ato seguiu, orientado por jornalistas da JovemPanNews, para fechar a Avenida Nações Unidas, depois, a Rodovia Marechal Rondon.

Cerca de 200 manifestantes participaram do evento. Entre funcionários e funcionárias da Havan, sociedade civil e comerciantes, havia também pessoas com camisetas do Aliança Pelo Brasil colhiam assinaturas para criação do partido idealizado pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido).  

As entidades Associação Comercial e Industrial de Bauru (Acib), Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e Associação dos Engenheiros Arquitetos e Agrônomos de Bauru (Assenag) integraram o ato com faixas de apoio.

Confira discursos e cobertura completa nas transmissões ao vivo do Jornal Dois.

Acredita no nosso trabalho?         
Precisamos do seu apoio para seguir firme.    
Contribua  a partir de 10 reais por mês. 

Comments

  1. A mãe do moço da Havan faleceu no início de fevereiro de Covid 19, na tarde do dia 12 do mesmo mês houve uma aglomeração contra restrições. No início de março, Senador Major Olímpio e alguns assessoria, que participaram desta aglomeração, testaram positivo para o Covid-19. Senador Maj Olímpio internou dia 02.03.21 e faleceu 16 dias depois. Alguém tem alguma dúvida de onde eles foram contaminados? Que Deus dê paz a família dos políticos!. Mas, chega de negacionismo. Essa doença qdo não mata, deixa muitas sequelas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.