5 fatos sobre a Pacaembu, construtora do Vida Nova Bauru

Milhões de reais em receita, 26 anos de história, 50 mil residências comercializadas no estado de São Paulo. Saiba de onde vem e o que quer a empresa responsável pelo mais recente empreendimento habitacional na cidade

Publicado em 11 de outubro de 2019

Placa da construtora em frente ao terreno do Vida Nova Bauru, na Rodovia Cesário José de Castilho km 347 (Foto: Bibiana Garrido/Jornal Dois)
Por Bibiana Garrido

Tetracampeã do prêmio “As Melhores da Dinheiro” 2019 a Pacaembu Construtora é considerada a melhor empresa do setor de moradia no Brasil pela revista IstoÉ Dinheiro. Vencedora por quatro anos consecutivos na categoria Construção Imobiliária — Capital Fechado, tem atualmente 100% de suas atividades voltadas para atender demandas do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), do Governo Federal. 

São 26 anos que a empresa concorre nos contratos públicos para construir residenciais populares. Nascida e consolidada no estado de São Paulo, tem cerca de 50 mil casas comercializadas em 40 cidades paulistas.

De acordo com a Istoé, a empresa tem receita bruta de mais de R$ 800 milhões e lucro líquido de R$ 114,5 milhões em 2018. A Pacaembu chega a Bauru com o plano de levantar 677 casas. Um novo “bairro planejado”, que ficará, conforme divulgado, “no coração de Bauru”. 

O residencial, considerado de interesse social, é voltado para a faixa 1,5 do MCMV  – famílias que tenham renda mensal entre R$ 1800,00 e R$ 2600,00. A previsão é de que sejam repassados R$ 98 milhões pela Caixa Econômica Federal, responsável pelos financiamentos do MCMV.

O Vida Nova Bauru é o primeiro empreendimento de interesse social dentro do Casa & Cidadania, programa da Prefeitura Municipal que pretende trazer mais projetos do tipo para Bauru. 

A Pacaembu vai assumir o compromisso de construir não só as casas, mas também a infraestrutura de água e esgoto no local. Iluminação pública, urbanização de áreas ao livre, sinalização de trânsito, uma Unidade Básica de Saúde e equipamento para mamografia. Da parte da prefeitura, segundo informa a assessoria do órgão, não há nenhuma contrapartida.

Localização no mapa: novo bairro planejado ficará na Zona Norte da cidade (Fonte: Google Maps/Reprodução)

Localizado no loteamento de interesse social Vargem Limpa I, área particular da Fazenda Vargem Limpa, o Vida Nova Bauru ficará ao lado do córrego Vargem Limpa na Zona Norte, próximo aos bairros Nova Bauru, Pousada do Esperança I e II e Vila São Paulo. 

Ao lado da Pacaembu, a empresa Bauruense Empreendimentos Imobiliários Ltda assina no Termo de Compromisso com o Município de Bauru para a realização das obras. Já está prevista a construção de um segundo residencial, no loteamento Vargem Limpa II.

O J2 fez uma pesquisa para saber mais sobre a construtora que vai erguer o lar de tantos bauruenses. Se liga.

  1. Antes de ampliar o perímetro urbano

Uma das ações para “destravar” a cidade foi a ampliação do perímetro urbano (Lei n° 7.116/2018), aprovado pela Câmara Municipal e sancionado pelo prefeito Clodoaldo Gazzetta (PSD) em 25 de junho de 2018. Antes disso, em 12 de março do mesmo ano, já estava autorizada a Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico no terreno em que ficaria o Vida Nova Bauru, visando a construção do empreendimento. A área do futuro residencial passou a fazer parte do perímetro urbano de Bauru graças à essa ampliação.

Demarcação da área total do Vida Nova Bauru pelo estudo arqueológico do terreno (Fonte: A Lasca Arqueologia/Reprodução)

Na época em que tramitava na Câmara Municipal o projeto de expansão do perímetro urbano, o vereador Ricardo Cabelo (PPS) encaminhou à prefeitura uma série de questões sobre as áreas que seriam incluídas na parte urbana de Bauru. Como apontado em reportagem do J2, a proposta de expansão do perímetro urbano envolvia cinco áreas que, somadas, correspondem a quase 1680 campos de futebol (aproximadamente o tamanho do centro e da zona sul, juntos).

Uma das perguntas do vereador era sobre os proprietários dessas áreas. Na resposta da prefeitura consta a empresa Bauruense, dona da fazenda onde ficará o Vida Nova Bauru. Segundo a Secretaria do Planejamento (Seplan) haviam 10 solicitações de empreendimentos dentro das áreas que integrariam a parte urbana com o novo perímetro. Entre eles, dois da Pacaembu Construtora, com processos datados de 2017.

2. Suspeita de favorecimento em esquema







Durante a execução de um projeto habitacional na cidade de Franca em 2017, o prefeito Gilson de Souza (DEM) foi investigado por conta denúncias que o acusavam de beneficiar a Pacaembu no contrato com a prefeitura. Conforme divulgado na imprensa, a construtora estaria envolvida em um esquema de distribuição de lotes para vereadores, que, por sua vez, tinham promessas a cumprir com seus eleitores. 

O processo correu ao longo daquele ano, quando foram realizadas audiências públicas na Câmara de Franca sobre o caso. Tanto o prefeito quanto a Pacaembu negaram qualquer envolvimento, e o caso foi arquivado

3. Obra inacabada na entrega das chaves 







O Residencial Village Morada Verde em Olímpia, entregue em 2011, foi tema de reportagens nos veículos locais por motivos que foram além da boa nova do empreendimento que ergueu 786 casas em um ano. 

Segundo o site iFolha, do jornal Folha da Região de Olímpia, a construtora Pacaembu entregou o conjunto com casas que não estavam concluídas. O texto cita uma entrevista de Alex Ramos, gerente regional na empresa, a uma rádio da cidade: “Como tínhamos lá a maioria das casas já concluídas, apenas algumas que faltavam concluir, nós inauguramos”.  

A construtora divulgou um vídeo no Youtube para marcar o registro da data da entrega, e disponibilizou, segundo matéria do iFolha, um plantão de atendimento aos moradores para revisões técnicas e reparos nas unidades. 

4. Espera dos moradores 







Em Ribeirão Preto, a conclusão das unidades do Vida Nova Ribeirão foi adiantada de novembro de 2019 para julho. De acordo com uma moradora, depois do anúncio que as casas estariam prontas quatro meses antes, a data foi reagendada. O residencial é um novo bairro planejado na cidade para mais de 30 mil pessoas

“Não atrasaram, até adiantaram. O que reclamei é que marcaram a data de entrega e depois desmarcaram”, relata a mulher, que foi procurada pelo Jornal Dois por ter se manifestado publicamente sobre a situação nas mídias sociais da Pacaembu. Ela relata que também ficou disponível um plantão para reparos durante 30 dias no residencial. No seu caso, a estrutura não apresentou problemas: “O que foi vendido foi entregue”. 

Em Franca foi o contrário. A demora nas obras foi questionada pelos mais de 500 moradores do Vida Nova Franca. Segundo site local, o grupo foi até um programa de televisão para “se queixar sobre a morosidade na liberação das chaves”, por já pagarem o financiamento das novas casas ao mesmo tempo em que ainda se mantinham com aluguel, esperando a mudança. 

5. Reclamações de problemas estruturais







A página da Pacaembu Construtora no site Reclame Aqui tem 85 reclamações, de dez em dez por página. Entre os fatores mais vezes apontados estão o atendimento, falhas no envio de boletos de pagamento e problemas estruturais. Trincos, rachaduras, vazamentos de água e esgoto, infiltrações, problemas elétricos no chuveiro e aquecedor, falta d’água, pisos e rejunte saindo são as reclamações frequentes dos moradores. 

Todas as reclamações foram respondidas pela empresa, que tem reputação com nota 8,9 na classificação do site. 

Publicidade nos pontos de ônibus: "do aluguel direto para a casa própria" (Foto: Bibiana Garrido/Jornal Dois)

O Jornal Dois procurou a assessoria da construtora e não teve resposta até a publicação da reportagem. Abaixo, os questionamentos enviados pertinentes à atividade da Pacaembu:








Em 2011 a Pacaembu entregou casas que não estavam concluídas em um conjunto habitacional de Olímpia? Por qual razão?

Nas redes sociais da construtora há relatos de atrasos na entrega de um conjunto em Ribeirão em junho de 2019. Qual a frequência com que atrasos de obras acontecem na Pacaembu? E qual o motivo?

A Pacaembu trabalha somente com a construção de conjuntos habitacionais de pessoas para baixa renda? Desde quando? Atende o MCMV e projetos particulares ou municipais, como no caso de Bauru?

Em 2017 o prefeito de Franca foi investigado por suspeita de beneficiar a Pacaembu Construtora em uma licitação, sendo absolvido de cassação pela Câmara Municipal. A investigação depois correu no Ministério Público e foi arquivada. A Pacaembu tem algo a declarar sobre o ocorrido? Por que o prefeito a teria beneficiado?

No site Reclame Aqui, o Grupo Pacaembu tem 100% de índice de resposta nos comentários de clientes. Em sua maioria, são reclamações sobre reparos e questões estruturais (vazamentos). Esse tipo de problema é recorrente nas unidades construídas pela Pacaembu?

Como a Pacaembu chegou à construção do Vida Nova Bauru? E como foi incluída no programa habitacional do município Casa e Cidadania?

Todas as casas do Vida Nova Bauru serão destinadas a pessoas com renda na faixa 1,5 do MCMV?

A construção do conjunto habitacional em Bauru do lado de um córrego pode prejudicar o meio ambiente? 

A Pacaembu pretende concorrer na futura licitação do conjunto habitacional destinado à faixa 1 do MCMV em Bauru?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.